O “modo” Brasil de formar relações-públicas.

O relações-públicas formado no Brasil – único no mundo, devido à singela “grade curricular” do bacharelado – é relevante recurso humano no auxílio à gestão geral de um organização.

Seu lugar deve estar no “board of directors”, ajudando a tomar as decisões que precisam antecipar uma “resposta social”.

Seu viés de “ombudsman”, por formação, o coloca como um defensor e um promotor da transparência – um dos pilares da governança corporativa.

http://offbudsman.blogspot.com.br/2015/05/sobre-os-limites-da-divulgacao-para.html

Deu O.C.I. no jornal “Estado de Minas”.

Na qualidade de diretor-presidente do OCI, Marcondes Neto foi entrevistado pela jornalista Bertha Maakaroun, do jornal “Estado de Minas”, no âmbito do seu trabalho de reportagem acerca da distribuição do Fundo Partidário para fins de “doutrinação programática e política” (este é o nome exato da rubrica).

Da pesquisa sobre discurso institucional dos partidos políticos brasileiros, ele afirmou: “Há ufanismo, bairrismo, casuísmo, personalismo, patriotadas, promessas e adjetivos. Faltam concisão, objetividade, organização, proposições claras, informação relevante, elucidação filosófica e esclarecimento político”.

E MAIS

“A comunicação institucional é parte indissociável da boa governança. A outra face da medalha da Ética é a da Transparência. E transparência, sem comunicação plena, não há”. Manoel Marcondes Machado Neto.

Confira aqui.